fbpx

Seminário sobre investimentos com apoio da LBCA atrai jovens

5 de maio de 2021  |  Por Yun Ki Lee  |   Migalhas
LBCA presta apoio a seminário sobre investimentos para público jovem

Seminário sobre investimento aconteceu dia 30/4 e contou com o apoio da Comissão Especial de Relações Internacionais da OAB/SP e da banca Lee, Brock, Camargo Advogados (LBCA).

Investir em ações já faz parte da vida dos jovens coreanos. Segundo a instituição financeira Kiwoom Securities, o número de adolescentes, com menos de 19 anos, que investem em ações na Coreia do Sul já aumentou 17 vezes, passando de 6.838 contas em 2019 para 115.623 em 2020. Para incentivar os jovens da colônia coreana no Brasil a entender e participar mais do mercado financeiro, o Consulado Geral da República da Coreia do Sul em São Paulo e a OKTA São Paulo (a seção da Overseas Korean Traders Association), realizaram no último dia 30 de abril o seminário “Investimento & Finanças”, com o apoio da Comissão Especial de Relações Internacionais da OAB/SP e da Lee, Brock, Camargo Advogados (LBCA).

Na abertura do encontro, Yun Ki Lee – presidente da OKTA São Paulo e Diretor da OKTA World (a Overseas Korean Traders Association), membro efetivo da Comissão Especial de Relações Internacionais da OAB/SP, diretor-Tesoureiro do Instituto do Capitalismo Humanista, um dos sócios fundadores da Lee, Brock, Camargo Advogados (LBCA) e professor de Direito da pós-graduação da Universidade Anhembi Morumbi afirmou que os jovens no Brasil já somam 10% dos investidores da B3 ( Brasil, Bolsa, Balcão) em decorrência de três fatores principais: acesso maior à informação, necessidade de criar uma poupança a longo prazo e o fato de outros investimentos estarem com rendimentos menos atrativos. “Esse seminário tem o intuito de ampliar e compartilhar informações e experiências sobre o mundo financeiro”, resumiu Lee, que agradeceu o apoio do Consulado da República da Coreia, na pessoa do Cônsul Geral, Hak You Kim.

Em sua exposição, o Cônsul coreano disse que desde o início da pandemia a vida de todos mudou muito, sendo que a covid-19 afetou toda a atividade econômica, especialmente a indústria e a confecção de roupas da comunidade coreana. “Para vencer a crise é preciso ter mais paciência e força do que em tempos normais. No mundo, o paradigma está mudando, a pandemia veio acelerar as mudanças introduzidas pelas novas tecnologias. A recessão econômica causada pela pandemia e as baixas taxas de juros estimularam as pessoas a procurar novas técnicas de investimentos”. Segundo o Cônsul, essa tendência não se registra só no Brasil, mas no mundo, incluindo a Coreia, sendo que o seminário tem o intuito de entender melhor os investimentos financeiros e achar soluções viáveis para revitalizar a contribuição dos coreanos para a economia em São Paulo. “Podemos ficar mais fortes que antes, se houver união”, concluiu.

Com mediação do diretor da OKTA-SP, Daniel Kim, os convidados do Seminário fizeram suas exposições. O primeiro painelista foi Hodon Lee, Head de Growth Insights & Analysis do Nubank, que detalhou os tipos de produtos e investimentos financeiros e suas características. Segundo ele, vivemos um cenário de massificação dos investimentos, sendo importante entender alguns conceitos, como tipos financeiros, fundos de investimentos, Private Equity e Startups. O bom investimento, no entender de Hodon Lee, é aquele que atende ao perfil e às demandas do investidor. Ele explicou as diferenças entre os produtos financeiro de Renda Fixa, Título Públicos e Títulos Privados, Renda variável e sua volatilidade e maior risco. Por fim, lembrou que para conhecer o risco de um investimento é fundamental acompanhar o rating (classificação) das agências de risco.

Na sequência, Débora Park, Private Equity da XP, explicou que essa modalidade constituída de fundos de investimento de longo prazo, de 10 a 12 anos, sofisticados e complexos, que envolvem alto risco e estão mais voltados a investidores profissionais, mas que isso está mudando porque já começaram a surgir fundos para pessoas físicas. Ela disse que o Private Equity envolve participação em empresas privadas não inscritas na Bolsa, nas quais o lucro decorrerá da venda no futuro da participação nessas companhias, em que a gestora investiu capital e atuou para potencializar seu crescimento, definindo um Business plan, no qual foram elaboradas as estratégias de crescimento.

O terceiro palestrante foi Semi Kim, da Innovation & Partnership da Voiter, que analisou o tema “Startups: Por que investir?”. Inicialmente, ele explicou as formas de financiamento, com programa de aceleração, investidores anjo e Crowdfunding, que são subvencionados e financiamento reembolsável, fundos de seed e venture, capital, Private Equity e Mercado de Capitais. Na avaliação de Semi, de cada de dez startups, duas dão certo, o que compensa o investimento. Nesse processo, ele alertou que o aprendizado é fundamental para entender as startups, por isso é fundamental que os jovens participem de todos os eventos possíveis sobre o tema para aprender mais e poder tomar decisões de investimento.

Ao final das exposições, Yun Ki Lee, sócio fundador da LBCA mediou o debate com a participação dos Cônsul Geral da República da Coreia e dos palestrantes, que responderam perguntas enviadas pelos inscritos que acompanhavam a live sobre os temas que abordados. A maioria das perguntas era sobre as vantagens de cada modalidade de investimento para investidores iniciantes, com menores recursos.

No encerramento, quebrando o protocolo, Yun Ki Lee agradeceu os palestrantes, parceiros da OKTA São Paulo e especialmente ao Cônsul Geral da Coreia, Hak You Kim, que recebeu uma lembrança em agradecimento ao apoiamento a inúmeros eventos promovidos pela OKTA-SP. Ao final, o Cônsul lembrou que está encerrando seu período como diplomata no Brasil e que retornará ao seu país de origem depois de 20 anos em terras brasileiras, onde chegou inicialmente para fazer mestrado. “O Brasil é meu segundo país”, disse, comentando que espera o estreitamento das relações bilaterais entre Coreia e Brasil.

Confira  as últimas atualizações jurídicas sobre o impacto do Coronavírus no Brasil e no mundo/a></a