fbpx

Yun Ki Lee assume diretoria do Instituto do Capitalismo Humanista

2 de julho de 2019  |  LBCA
Capitalismo Humanista na PUC-SP

Em cerimônia concorrida, realizada na PUC-SP, o sócio-fundador da Lee, Brock, Camargo Advogados (LBCA), Yun Ki Lee, tomou posse como Diretor Tesoureiro do Instituto do Capitalismo Humanista, no último dia 28 de junho. Ele foi cumprimentado pelos integrantes da mesa dos trabalhos, composta pelo Prof. Titular da PUC-SP, Dr. Ricardo Sayeg; Prof. Titular da PUC-SP, Dr. Wagner Balera; Profa. Dra. Theresa Arruda Alvim; e Profa. e Desembargadora do TJ-SP, Dra. Vera Angrisani.

Durante a posse, Sayeg ressaltou que Yun Ki Lee foi um dos pesquisadores que contribuiu para fechar o quebra-cabeça para o desvendar “quântico” do Capitalismo Humanismo, ao empregar a teoria matemática do fecho reflexivo. “A obra dele é um primor e faço apelo para que ele a publique logo”, afirmou. Sobre o tema, além do livro e artigo “Fecho Reflexivo na Dignidade: Uma Inspiração na Perspectiva Quântica do Direito” no prelo, Sayeg explora o fecho reflexivo no capítulo “Desvendar Quântico do CapH – Fecho Reflexivo do Fator CapH”, no livro “Fator CapH – Capitalismo Humanista – Dimensão Econômica dos Direitos Humanos”, escrito em co-autoria com Wagner Balera, que teve lançamento e noite de autógrafos após o termino no evento.

Na ocasião, também foram empossados na Diretoria do Instituto do Capitalismo Humanista: Willis Santiago Guerra Filho (Diretor Acadêmico); Eduardo de Arruda Alvim (Diretor Executivo); Wagner Balera (Diretor Científico); Eduardo Tuma (Diretor de Relações Institucionais); Juliana Duarte (Secretária Geral); Roberto Pellini Junior (1º Secretário Adjunto); e Rodrigo Sayeg (2º Secretário Adjunto). Todos os novos Diretores foram contemplados com Medalha e Certificado do Capitalismo Humanista.

Durante o evento, que lotou o auditório 100 da PUC-SP, houve entrega do Prêmio do Capitalismo Humanista, posse da nova Cúpula do Grupo de Pesquisa do Capitalismo Humanista da PUC-SP e o lançamento do ICapH, o primeiro Índice do Bem-Estar Econômico do Brasil, formulado com base na pesquisa do Prof. Dr. Ricardo Sayeg e do Prof.  Dr. Manuel Enriquez Garcia, da FEA/USP, presidente da Ordem dos Economistas do Brasil, em parceria com os Profs. Drs. Wagner Balera e Willis Santiago Guerra, na dinâmica das disciplinas de Direito Econômico, Direitos Humanos e Direito Quântico da Faculdade de Direito, Mestrado e Doutorado da PUC-SP. O índice foi implementado pela equipe de estatística e ciência política do Instituto Guimarães, dirigido pelo Prof. Paulo Guimarães, da UNICAMP.

“Desenvolvemos o iCapH, que mede a grau de (in)satisfação popular da população com o bem-estar econômico, entre níveis de péssimo, ruim, regular, razoável, bom e ótimo. Fizemos uma pesquisa muito séria e profissional com entrevista presencial, através do Instituto Guimarães, em associação ao Instituto do Capitalismo Humanista”, explicou Sayeg.

A criação do índice contemplou 12 fatores da Constituição Federal (art. 170) do bem-estar social e econômico na cidade de São Paulo. A pesquisa ouviu 616 moradores (amostra), em 18 de maio desse ano, e o item melhor avaliado foi a defesa do consumidor. A soma dos fatores resultou no índice do ICapH – 2019, que os entrevistados classificaram como “regular para menos”.

Comentários

Comentários