fbpx

Principais tendências para o setor imobiliário

13 de maio de 2021  |  Por Simone Ino Teixeira de Araújo  |  LBCA
Setor imobiliário: as principais tendências

A Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) fez um levantamento entre as maiores empresas do setor que apontou perspectivas positivas: 97% dos empresários pretendem lançar novos projetos e 92% comprar novos terrenos. Também vem crescendo o segmento de venda e locação de imóveis.

1. Qual o cenário do setor imobiliário?

O mercado imobiliário, no início deste ano, já caminhava para uma recuperação, mas o desempenho vem surpreendendo. No ano passado, as vendas de imóveis novos no Brasil totalizaram 119.911 unidades no ano passado, volume 26,1% superior ao registrado em 2019. O número de unidades lançadas somou 113.191 imóveis novos, superando em 1,1% a marca de 2019, segundo dados Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com a Abrainc.

2. Mas a que devemos essa alavancada no setor imobiliário brasileiro em meio à pandemia e à crise econômica?

Com a pandemia cresceu a necessidade de isolamento social, a ampliação da experiência do home office e a mudança de hábito dos brasileiros, que acabou levando à busca por novas oportunidades no setor imobiliário. Antes, o que se via é que a aquisição de um imóvel levava em conta o critério de necessidade – a aquisição de imóvel perto de centros expandidos – mas hoje com a atual realidade, tudo mudou. Atualmente ,observamos uma nova tendência de mercado: venda e locação de imóveis mais próximos a bairros ou a regiões do interior, com custo de vida mais baixo e maior acesso a benefícios.

3. As taxas de juros vêm colaborando para essa reação?

Sim, a redução das taxas de juros para a concessão dos créditos propiciou maior incentivo à aquisição de imóveis para moradia ou investimentos. Com o atual patamar da taxa Selic, os bancos passaram a buscar novas oportunidades com a facilitação de crédito para financiamentos, com valores e condições mais acessíveis aos consumidores. Tal incentivo só favoreceu o setor, motivando um crescimento substancial na procura por imóveis, o que por consequência gera um aumento na quantidade de lançamentos imobiliários e uma subida significativa no preço ao longo dos próximos anos. Contudo, há um ponto de atenção nessa súbita alavancada imobiliária, com a migração do hábito dos brasileiros para o homo e- office: temos um significativo esvaziamento dos grandes centros comerciais, sendo que a pandemia de coronavírus deverá deixar marcas definitivas nesse ponto.

4. Qual o papel das incorporadoras diante do mercado tema atual, com tanta volatilidade?

A resposta é simples: criatividade e investimento para oferecer às empresas e comércio em geral, imóveis com valor de mercado justo e compatível com a atual realidade. Mesmo diante das incertezas deixadas pela pandemia da Covid-19 e de crise econômica, o setor imobiliário vem se mantendo estável, com fortes projeções positivas para 2021, puxadas por novas demandas dos brasileiros ,redução das taxas de juros e incentivos para aquisição de moradias.

Confira  as últimas atualizações jurídicas sobre o impacto do Coronavírus no Brasil e no mundo/a></a