fbpx

Mente aberta à Diversidade & Inclusão (D&I)

10 de janeiro de 2020  |  Por Santamaria Silveira  |  LBCA
Mente aberta à diversidade & inclusão (D&I)

No Brasil, por um preceito de direitos humanos, a percepção sobre raça e cor deve ser dada pelo próprio indivíduo. Dessa forma, a população negra do país (pretos e pardos) representa 55,8% dos brasileiros, segundo o informativo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, do IBGE.

Para Janaína Maria de Souza Silva, 33 anos, analista na LBCA há um ano, e que se autodeclara negra, a desigualdade étnico-racial nos ambientes corporativos pode refletir uma realidade nacional: no Brasil existe racismo, que é forte, explícito, escancarado e o combate começa com a percepção e exposição do problema e adoção de novas atitudes.

Segundo Janaína, hoje o profissional negro tem maior consciência de sua identidade: “É importante se colocar no mercado de trabalho, dar mais ideias, aparecer mais. Precisa dizer: estou aqui, também tenho ideias, também sou inteligente. Muitas vezes, o negro se sente vitimizado, mas tem de se impor, mostrar seu trabalho, do que é capaz.”.

Para ela, a LBCA é uma firma com “cabeça aberta” para a questão da diversidade e inclusão, com programas interessantes, como os voltados aos refugiados e às gestantes: “Deveria servir de espelho para as demais empresas, porque abraça negros, mulheres, gays, lésbicas. Isso aparece tanto entre gestores e colaboradores, quanto entre advogados”.

Janaina afirma que nunca sofreu diretamente preconceito racial, apenas já foi alvo “brincadeiras” na escola sobre a cor de sua pele, mas vê constantemente nas Redes Sociais que determinada pessoa não vai entrar em um local porque ali está uma pessoa negra. Ela explica que se sofresse discriminação no ambiente de trabalho optaria por expor o problema e denunciar ao invés de silenciar.

Na LBCA, segundo Janaína, as desigualdades educacionais entre profissionais negros e brancos não são determinantes para a contratação e evidenciam uma nova atitude. “Na minha percepção, o que é importante para o escritório é o seu potencial de trabalho, seu desempenho, pouco importando de que faculdade você veio”, afirma.