fbpx

Brasil começa investir em seguro para sinistros cibernéticos

23 de julho de 2020  |  Por Da Redação  |  LBCA
Brasil começa investir em seguro para sinistros cibernéticos

As notificações de sinistros cibernéticos na Europa cresceram cerca de 83%, segundo corretoras de seguros e consultorias de riscos. No Brasil, o mercado começa a se abrir.

Esses dados envolvem o período da pandemia de Covid-19?

Não, esses dados saíram recentemente, mas são relativos ao ano passado. No mercado securitário da Europa, o seguro para sinistros cibernéticos é mais comum que no Brasil. Segundo a European Insurance and Occupational Pensions Authority apresentam um crescimento de 72%, principalmente com a entrada em vigor da GDPR(Regulação Geral de Proteção de Dados) da União Europeia.

Quais os tipos de coberturas mais comuns?

Danos à reputação de terceiros, cobertura de custos sobre notificação de incidente de segurança envolvendo dados pessoais, custos com defesa civil e criminal etc. O seguro serve para mitigar o impacto das ameaças e riscos do mundo virtual e as apólices estabelecem tipos diversos de danos.

Durante a pandemia cresceram os sinistros cibernéticos?

Sim, principalmente com o aumento do trabalho remoto, que passou a ser utilizado por 43% das empresas brasileiras, além do aumento do tráfego de dados e informações sigilosas das empresas. Possivelmente, com a vigência da Lei Geral de proteção de Dados no Brasil , a demanda por este tipo de seguro deve crescer muito mais.

Qual foi o tipo de ataque mais comum no estudo europeu?

Segundo o levantamento, 67% dos sinistros cibernéticos resultaram de ataques maliciosos de ransomware, que impedem acesso a arquivos e sistemas, podendo levar a períodos de interrupção do negócio.

Quais os setores mais impactados?

Foram as instituições financeiras (21%), corporações (11%) e empresas de comunicação e tecnologia (9%), entre outras.

Confira as últimas atualizações jurídicas sobre o impacto do Coronavírus no Brasil e no mundo/a>