fbpx

Apicação de iniciativas ESG na área hospitalar

14 de junho de 2021  |  Por Lorena Carneiro do Nascimento e Patrícia Arantes de Paiva Medeiros  |  LBCA
ESG começa a ser aplicado em áreas hospitalares

A ESG – melhores práticas ambientais, sociais e de governança – é um parâmetro, por meio do qual é possível avaliar se a empresa adota práticas que aumentam seu potencial de crescimento sustentável, inclusive, na área hospitalar.

 

1- Os fatores ESG são aplicáveis à área hospitalar?

Sim. Na área hospitalar, uma estrutura ESG abrangente tende a evitar traumas e dificuldades financeiras, sendo um fator importante na atração de investimentos e parcerias. Acresce-se que a escolha dos pacientes por serviços hospitalares está cada vez mais motivada pela identificação com a instituição e com um posicionamento consistente sobre questões ambientais, sociais e de governança, que devem ser consideradas no momento da escolha do serviço de saúde.

2- Como os hospitais devem pensar suas iniciativas ambientais?

Na área hospitalar, as iniciativas ambientais devem envolver a mitigação dos riscos ambientais, que abrangem substâncias químicas e lixos infectantes. A gestão e o descarte seguro de resíduos hospitalares, consumo de água e de energia e, ainda, emissões de gases de efeito estufa (GEEs), norteiam as ações essenciais para a prevenção de desastres ambientais, diminuindo a utilização de substâncias químicas e de seus efeitos prejudiciais ao meio ambiente. Nesse sentido, políticas institucionais de meio ambiente, sustentabilidade e segurança do trabalho são essenciais para o desenvolvimento do setor.

 

3- Como os hospitais podem ampliar suas iniciativas sociais?

 

A prestação de serviços hospitalares é, em sua essência, vinculada ao apoio assistencial, portanto ações institucionais devem ter como objetivo o apoio e o desenvolvimento social, que impactam positivamente a marca do hospital. As iniciativas sociais visam a ações sólidas em medicina preventiva, filantropia e apoio à comunidade. Além disso, iniciativas de inovação, estratégias de retenção e valorização de talentos, a manutenção de conhecimento e, ainda, os temas que envolvam a segurança da informação e a proteção de dados de pacientes e colaboradores são essenciais para a conquista de uma marca longeva e responsável.

4- Como os hospitais podem melhorar sua governança?

 

Em unidades hospitalares, a governança deve atingir, desde a alta gestão até as áreas operacionais, buscando a melhoria da independência e da diversidade institucional do setor. Além disso, de forma prática, é primordial que os hospitais, realizem a prestação de contas de forma transparente, além de análises financeiras, consubstanciando dados concretos de governança, impacto ambiental e social que beneficiem, efetivamente, todos os envolvidos na prestação dos serviços de saúde. Por meio de iniciativas de gerenciamento de riscos, é possível a adoção de uma robusta estrutura de conformidade que adotem Código de Conduta e Ética, auditoria de segurança da informação e comitês de crise que preservem a imagem institucional.

5 – Quais são ações de ESG para hospitais que possuam parceria com o Poder Público?

 

Para instituições hospitalares que tenham a prestação de serviços médicos e assistenciais em parceria com municípios e estados, além de iniciativas ambientais, sociais e de governança, é essencial o pleno desenvolvimento de dois requisitos: a implementação de mecanismos de conformidade à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), garantindo a segurança de dados de pacientes e colaboradores, armazenados em formatos físicos e digitais, para a mitigação dos riscos de vazamentos de dados e a preservação da imagem da instituição. E ainda, adoção de medidas de obediência à Lei de Acesso à Informação (LAI), que possibilitam a transparência e prestação de contas, para percepção da responsabilidade social e corporativa envolvida com o apoio à comunidade local pelos serviços de saúde.

 

6 – Como o ESG cria valor ao hospital?

 

Com base nos critérios de ESG, o hospital garante iniciativas que priorizem o desenvolvimento sustentável e lucrativo, evidenciando-se como instituição responsável quanto à privacidade, ao meio ambiente e ao desenvolvimento social. Assim, a partir da mitigação dos riscos, o hospital garante benefícios quanto à redução de custos por meio de processos e indenizações, no engajamento de todos os níveis da instituição, de forma integrada, e, ainda, na facilitação na captação de recursos externos que auxiliem no desenvolvimento, na otimização e no avanço das atividades empresariais do hospital.

Confira  as últimas atualizações jurídicas sobre o impacto do Coronavírus no Brasil e no mundo/a></a