fbpx

Como o Business Intelligence pode ajudar as empresas?

12 de julho de 2022  |  Por Danielle Ciré   |  LBCA
Como o Business Intelligence pode ajudar as empresas?

O grande desafio da gestão é tomar as melhores decisões, sejam as macros decisões, sejam as decisões acerca dos detalhes do negócio. Em qualquer caso, quanto mais informações estiverem disponíveis e forem consideradas, a tendência é que mais assertiva será cada uma delas.

Tomar decisões com base em dados permite solucionar problemas complexos de forma mais ágil e acertada, melhorar o desempenho quanto a metas, além de minimizar o risco de impactos negativos.

1. O que é BI (Business Intelligence)?

Como o nome indica, BI é uma forma inteligente de conduzir negócios: combinando análise empresarial, mineração e análise de dados, e geração de relatórios, o Business Intelligence tem como proposta permitir a visualização de informações relevantes para a tomada de decisões.

Atualmente, as empresas possuem cada vez mais dados, que podem ajudar na tomada de decisões. Isto, se essas informações puderem ser acessadas, visualizadas e analisadas com facilidade.

2. Como podemos utilizar o BI?

A ideia é reunir todas as informações relevantes para a empresa (ou para um setor) em um único lugar: um painel interativo e de fácil visualização, chamado de Painel ou Dashboard. Em outras palavras, é um relatório visual e interativo.

Quando uma decisão é tomada de forma inconsistente ou com base em dados enviesados, é possível cometer erros, que poderão impactar significativamente o futuro da empresa. Dado conhecidos e analisados refletem decisões melhores.

3. Como funciona a dinâmica do BI?

Existem diversas ferramentas utilizadas para visualizar e analisar dados de uma empresa. As mais conhecidas são o Excel, o Power BI e o Tableau. Essas ferramentas são utilizadas pelo analista para poder trazer insights relevantes para a empresa, no formato de um painel (ou relatório) interativo, facilitando a análise e a tomada de decisões.

Em um âmbito diferenciado, algumas empresas contam, além do analista de dados (responsável pela organização visual desses dados em Dashboards), com o cientista de dados, que analisa os dados estatisticamente e com viés preditivo, criando algoritmos para prever tomadas de decisões, através de mecanismos de programação, como o Python.

4. Qual o potencial do BI ?

O Business Intelligence vem evoluindo ao longo dos anos para um formato interativo, simples e acessível. O usuário consegue interagir com o painel e tirar conclusões através da análise daquelas informações. Com isso, é possível notar padrões ou tendências que estejam ocultos na imensidão de informações da empresa.

O BI ainda pode incluir a análise preditiva, projetando cenários futuros, e com base nestes cenários, compreender as causas de cada resultado previsto.

5. Como utilizamos o BI no departamento jurídico?

Qualquer métrica ou indicador pode ser acompanhado pelo BI. No departamento jurídico o BI pode auxiliar na adoção das melhores estratégias processuais e na condução de carteiras com mais assertividade.

Com o BI também é possível acompanhar contratos, documentos e demais dados relevantes de modo a garantir que o departamento jurídico tenha a seu dispor de todas as informações necessárias organizadas com o fito de que melhores decisões sejam tomadas.

Com a utilização do BI no departamento jurídico, em suma, torna-se mais fácil acompanhar e atingir metas, administrar ou mesmo reduzir carteiras, e garantir uma visualização abrangente das informações importantes para o cotidiano do departamento jurídico.

6. Qual o principal desafio na implementação do BI?

O maior desafio do BI, atualmente, é a qualificação necessária para que o profissional seja capaz de gerar insights efetivamente relevantes para a empresa. Os analistas e cientistas de dados investigam aspectos específicos das informações, usando estatística e outras técnicas de análise e estes são skills nem sempre encontrados com facilidade no mercado.

No setor jurídico, esse cenário é ainda mais complexo pois, para garantir que o resultado do BI será relevante e servirá ao seu propósito de orientar e melhorar as decisões, não basta o domínio da tecnologia, também é necessário o domínio do Direito.